Você já sentiu receio de uma avaliação profissional porque, se prestassem atenção no seu trabalho, veriam que você não tem preparo suficiente? Ou então se sentiu culpada ao ser parabenizada porque, no fundo, sente que não merecia? Atenção: estes são alertas para a síndrome do impostor!

E não pense que é um problema incomum. Até personalidades fortes e influentes podem se sentir verdadeiras fraudes. É o caso, por exemplo, das atrizes Emma Watson e Natalie Portman, e da ex-primeira-dama americana, Michelle Obama, que já relataram publicamente terem passado por isso.

Quer entender melhor sobre o assunto? Venha comigo que eu vou contar as principais características desse problema! Boa leitura!

Afinal, o que é a síndrome do impostor?

O nome já é explicativo: quem sofre desse problema sente que é um impostor do próprio sucesso. São pessoas que, embora tenham recebido elogios, promoções ou destaque profissional, acreditam plenamente que não mereciam esse retorno por conta de sua própria competência ou inteligência.

Para justificar o reconhecimento profissional que recebem, se convencem de que chegaram até ali por conta de fatores externos: sorte, beleza, destino, entre outros. E, como acreditam que são uma fraude, começam a ter pensamentos autodepreciativos e vivem inseguras e ansiosas. Afinal, a qualquer momento podem ser descobertas.

Quais são as principais características?

Para começo de conversa, frases como “conseguir esse cargo foi muita sorte” ou “eu não sou boa o suficiente para isso” são indicativos de um sentimento de baixa autoestima profissional. Para além de uma humildade excessiva, a sensação de que você não é merecedora do que alcançou pode levar à autossabotagem.

A psicóloga e autora do livro “Os pensamentos secretos das mulheres de sucesso“, Valerie Young, mapeou as principais características do problema. Para a especialista, a tensão constante de ser descoberta faz com que a pessoa adote comportamentos defensivos nada saudáveis. Vamos conhecer os principais?

Muito ou pouco esforço

De acordo com Valerie, quem sofre da síndrome do impostor pode se tornar um viciado em trabalho. É uma tentativa de despistar a suposta incompetência com esforço excessivo. O contrário também acontece: você pode deixar de se dedicar, já que abaixar as expectativas dos outros é uma boa forma de driblar elogios não-merecidos.

Tentativas exageradas de discrição

Outro comportamento típico é ser exageradamente discreta — praticamente uma criminosa tentando se esconder. Sabe quando você se sente trocando de roupa na frente de estranhos quando alguém olha qualquer coisa do seu trabalho? É normal, mas pode indicar a síndrome do impostor se a sensação causa muita ansiedade.

Autossabotagem

A autossabotagem é uma característica comum também. Deixar de cumprir prazos, chegar atrasada em reuniões, ir completamente despreparada para uma apresentação decisiva no trabalho: para cada uma dessas coisas, há uma desculpa na qual você se apega fielmente.

Como lidar com o problema?

O primeiro passo para lidar com a síndrome do impostor é parar de se comparar com outros profissionais. Sentir-se inferior é uma das grandes causas para que você se convença de que não merece sucesso. Outra dica é olhar para trás e tentar acreditar: os elogios recebidos não vieram sem motivo.

Além disso, vale a pena adotar uma postura mais confiante e reverter o sentimento de fraude para outro muito melhor: o de que você pode melhorar cada vez mais. Assim, quando ocorrerem possíveis falhas, você pode tentar aprender com elas em vez de se sentir uma farsa.

Se você sofre com a síndrome do impostor, não se sinta culpada. O mais importante é ter consciência de que as sensações que resultam desse problema não são benéficas e, assim, tentar minimizá-las. Para começar, lembre-se de que sua carreira foi construída com muito esforço e competência.

Agora, conte para mim, em qual dos traços da síndrome você se reconheceu? Já tomou alguma medida para reverter o problema? Deixe um comentário!