mulheres com mais de 50 anos

Chegar aos 50 é um ótimo sinal, afinal, isso mostra que você já passou por muitas experiências e tem maturidade o suficiente para lidar com as mais diversas situações. No entanto, nessa fase é comum sofrer com alguns sentimentos conflitantes e angustiantes, situações típicas da famosa crise da meia idade. Essa crise atinge principalmente as mulheres com mais de 50 anos que, muitas vezes, começam a se sentir invisíveis, estagnadas ou dispensáveis.

Neste post, listei 3 desafios enfrentados nessa fase e como você pode lidar com eles de forma mais tranquila. Confira!

1. Invisibilidade na sociedade e no mercado de trabalho

Quando falo na população com mais de 50 anos, é importante deixar claro que existem diferenças fundamentais na vivência entre homens e mulheres. A mulher de 50 anos sofre com desafios que, na maioria das vezes, não acometem o público masculino tão cedo. Um exemplo é a invisibilidade no mercado de trabalho. Você já parou para pensar em onde estão as mulheres com mais de 50 no mundo corporativo? E por que elas, quase nunca, estão ocupando cargos de liderança?

Embora o preconceito etário atinja ambos os sexos nesse mercado, ele costuma chegar mais cedo para o público feminino, que mesmo apresentando maiores escolaridades, recebe salários menores e não consegue alcançar cargos de decisão e liderança.

Essa sensação de invisibilidade ultrapassa o cotidiano corporativo e a mulher pode sentir que não é notada em outros momentos e situações do dia a dia. No entanto, é importante lidar com esse sentimento de forma firme, por isso, não tenha medo de se impor e se valorizar, tanto no ambiente de trabalho quanto nas relações sociais.

2. Síndrome do ninho vazio

Antigamente, quando a mulher completava 50 anos, era normal que seus filhos já fossem independentes e tivessem saído de casa. Entretanto, os tempos mudaram e hoje é comum ver os jovens saindo de casa cada vez mais tarde.

Com isso, surge outro desafio para a mulher: a síndrome do ninho vazio. Esse problema é caracterizado por um sentimento de tristeza e desânimo que acomete os pais quando os filhos saem de casa.

O processo pode ser doloroso e fazer com que a mulher se sinta abandonada e sem um propósito. Mas, para passar por ele com mais tranquilidade, a dica é procurar entender que um ciclo se fechou, abrindo espaço para novos sonhos e projetos que podem ter ficado de lado durante a criação dos filhos. Para lidar com a angústia, também é válido procurar ajuda psicológica com um profissional qualificado.

3. Baixa autoestima e cobrança ao envelhecer

Ao chegar aos 50, o corpo da mulher passa por diversas transformações tanto em questões hormonais quanto em relação aos sinais de envelhecimento.

Envelhecer, do ponto de vista da mulher, pode ser um desafio ainda mais difícil por conta de uma cultura machista impregnada na sociedade. Isso faz com que as mulheres vivam em uma cobrança muito maior que exige jovialidade a qualquer custo.

Essa cobrança pode ser vista, por exemplo, no caso de celebridades como Xuxa (56 anos), Luciana Gimenez (50 anos) e Madonna (61 anos). Contudo, apesar dessas mulheres serem constantemente cobradas por conta de sua aparência, elas seguem se posicionando fortemente sobre o assunto para mostrar que é possível ser bonita e sexy depois dos 50.

Se você está passando por um momento de baixa autoestima por conta da idade, tire algum tempo para olhar para si mesma e perceber seus pontos fortes sem se cobrar tanto.

A crise da meia idade pode ser um período desafiador que impacta diretamente na vida das mulheres com mais de 50 anos, no entanto, é possível superá-la mudando seu mindset e seguindo outras mulheres inspiradoras.

E você, já passou por essa fase? Escreva para mim nos comentários!

1 resposta
  1. Teresinha diz:

    Me sinto perdida,sou uma estranha dentro da minha propria casa,meu casamento esta no fim,n ao consigo sair com meu marido, n ao bebo,n ao fumo e quando vou algum lugar me sinto mal,pq n ao falou parte desse mundo de festas e muitas outras coisas n ao seu mas o que fazer estou em sen

Os comentários estão fechados.